A Verdade

Os três não chegaram a um acôrdo de como os perdedores iriam se desculpar ao vencedor.
O Protestante acha que, se a verdade for a Ressurreição, o Espírita e o Ateu poder-lhe-ão procurar antes de serem fatalmente condenados.
O Espírita tenta argumentar, se o Protestante estiver com a razão, que para eles encontrarem o Crente e se desculparem pelo equívoco, entre homens da caverna e futuristas passando por todos os demais de todos os tempos e graus evolutivos da humanidade, será como procurar uma agulha no palheiro.
Já se o Espírita estiver com a razão, a benevolência divina se fazendo infinita, o Crente e o Ateu terão a eternidade para o encontrar através de suas várias reencarnações ou mesmo quando já tiverem atingido a perfeição dos ' deuses '.
No caso do Ateu, se tudo acaba mesmo, não há como o Espírita e o Crente se dobrarem ante a certeza do Ateu pois aí todos já terão sido.
E o Ateu descrente de tudo que não possa ver, ouvir e palpar, mas de bom humor, chacoalha os outros dois :

Pois é, se eu estiver certo vou chegar do outro lado e lhes dizer :
' Viram, eu estava certo, aqui não tem mais nada. Puff. '