<============================================>

O Céu, a Terra e Entre

Responsável Joahermen

<============================================>

Perguntas e Respostas

Pergunta – Porque a necessidade de um ser encarnado para intermediário para a benfeitoria dos seres e criaturas mais elevados para auxiliarem os necessitados, não só os encarnados como os desencarnados?

Resposta – Porque estes seres e criaturas encarnados, ou mesmo desencarnados, carentes, só atingem, pelo seu estágio atual evolutivo, a frequência dos encarnados.

Os seres e criaturas aptos a ajuda-los são seres e criaturas de grau mais evoluído do que eles, suas faixas vibratórias são maiores. Impor à um ser mais elevado baixar sua faixa vibratória afim de ficar ajudando outros de faixas inferiores, na maioria das vezes, relutantes em se evoluírem, é por demais desgastante. O correto é o carente buscar a ajuda, pois só assim ele dá algum valor a ajuda recebida, e não ajuda-lo espontaneamente, o que muitas vezes ele ignora e até rejeita. Desta feita a melhor condição para um ser mais evoluído poder estar como canal aberto de fácil acesso para outros de vibração mais baixa é na carne.

Pergunta – Porque muitos reencarnacionistas têm suas vidas tão ‘amarradas’, motivo pelo qual outras doutrinas conseguem conquista-los?

Resposta – Os reencarnacionistas temos conhecimentos mais profundos das verdades sobre as almas e os espíritos, temos conhecimento das manipulações que espíritos e almas desencarnados/as fazem sobre os encarnados/as e como habitamos um mundo ainda predominantemente de seres e criaturas egoístas e perversos estes vão ‘guerrear’ aqueles/as que lhes combatem ou podem obsta-los.


Pergunta – Porque tantos casamentos se desfazem?

Resposta – Os casamentos, muitas vezes, são provações em que os cônjuges têm que se moldar um ao outro até que passem a ter uma vida feliz um ao lado do outro. Isto porém só se dará se ambos, além de serem tolerantes, transigentes e compreensivos entre si, resistirem, principalmente, as tentações inúmeras que os levaria a infidelidade para com sua cara metade. E isto também faz parte, muito importante, para a depuração do ser.

Pergunta – E quando há infidelidades num casamento, o que acontece?

Resposta – Caso um dos cônjuges traia o outro, o elo espiritual que os une começa a se romper. Isto é fácil de se compreender, pois houve a interferência de uma pessoa estranha a união. O caso se torna mais crítico e desastroso quando um ou ambos os cônjuges são médiuns conscientes, pois os médiuns têm que procurar se manter os mais dignos possível.

Pergunta – E porque existem tantos casais que vivem em conflitos?

Resposta – Existem muitos casais com gênios incompatíveis devido suas antigas divergências noutras encarnações. Por aos olhos do Criador sermos todos irmãos e como tal devermos nos entender uns com os outros, assim como mutuamente nos amar, estes casamentos se dão com frequência.

Pergunta – Poxa, mas como se consegue superar essas desarmonias?

Resposta – O segredo para que estas uniões se deem até o fim está, em primeiro lugar, ambos resistirem a tentação frequente da infidelidade, em segundo, procurarem aniquilar em si, com a ajuda de sua cara metade, os pontos que levam ao atrito com seu cônjuge, em terceiro, procurarem realçar e explorar as virtudes e o que há de bom em seu/sua parceiro/a. O que frequente ocorre é justamente o contrário: realçam o mal e aniquilam o bem, e, é claro, o abismo que os separam fica formado.


Pergunta – Porque algumas pessoas se sacrificam tanto por uma união na qual o outro cônjuge pouco ou nada se empenha, até muito pelo contrário, parece ter prazer em atormentar ou outro?

Resposta – Algumas vezes um dos cônjuges, pelos seus guias espirituais, sente que deve procurar manter a união, dependendo do grau de orientação mediúnica de cada um, que para os não espíritas podemos traduzir como a capacidade de sensibilidade psicológica, o cônjuge que luta pela união do casal se abre e procura orientar ao outro normalmente cego, bloqueado, obsediado, mas infelizmente, raras vezes o “santo de casa” faz milagres, e a desunião se consolida.

Pergunta – E os profissionais que aconselham que é mesmo melhor o casal desarmonioso se separar?

Resposta – Tenho conhecimento de psicólogos que ao serem consultados, normalmente, pelo cônjuge mais descontente, sobre seus atritos familiares, aconselham a lei do menos esforço, isto é; a separação. Coitados/as desses/as psicólogos/as, que desserviço estão prestando ao progresso espiritual dos que lhes procuram, e que débito estão somando para o seu próprio ser para suas próximas encarnações.

Pergunta – Poxa, mas viver em desarmonia não é nada fácil e chega a ser traumatizante para o cônjuge que tanto se empenha para que reine a paz com os dois?

Resposta – Toda união entre casais, por mais descabida e absurda que possa parecer, deve ser mantida mesmo a trancos e barrancos. Afinal o casal antes de chegar ao contacto sexual deve primeiramente sondar todas as possibilidades, principalmente no que tange à compatibilidade de gênios, a incompatibilidade sexual entre duas pessoas que se amam dificilmente existirá de modo a não conseguirem se ajustar.

No mundo depravado de hoje em dia isto chega a soar como o puritanismo mais absurdo, realmente o é para os carne a carne, terra a terra, entretanto, para os que tanto trocam de parceiros, eu pergunto:

Você consegue ficar a sós consigo e o Criador sem se constranger? E também acredita existir alguém que o ame profundamente, Você desregradamente agindo desse jeito?

Dificilmente alguém responder-me-a positivamente com sinceridade.


Pergunta – Mas ser-se livre tendo relacionamentos sem vínculos sentimentais não é uma forma também de se ter uma vida mais feliz até do que a de muitos casais?

Resposta – O sucesso verdadeiro dos relacionamentos não está na capacidade de trocar de parceiros a torto e a direito, mas sim os cônjuges conseguirem ser fiéis reciprocamente até o fim de seus dias carnais. Isto é super gratificante, irradia uma paz interior em ambos fantástica, tanto maior quanto maior o entrosamento entre si, quanto maiores forem os anos que sigam lado a lado na vida. Isto é a maturidade espiritual, conseguir amar e admirar seu cônjuge cada dia um pouco mais, meu Deus, que benção que graça divina.

Pergunta – Não há casos em que uma pessoa cheia de amor para dar possa partilhar com outras que estejam carentes de afeto?

Resposta – Isto é uma tentativa de desculpar os amores coloridos. Não, não há ressalvas. Não há quem tenha tanto amor à dar que não haja a sua cara metade que lhe retribua a altura, o problema é encontrar essa cara metade.

Pergunta – Mas e algumas pessoas que têm amor verdadeiramente em abundancia, como é que consegue abrandar seu excesso?

Resposta – Quanto ao excedente de amor, o amor pode ser distribuído de muitas formas sem ser necessária a infidelidade carnal.

O amor vem do astral, o que é do astral é algo superior, e algo superior ao se distribuir se multiplica, se soma, e isto é bom, é gratificante. O sexo é da carne, o que é da carne é algo inferior, e algo inferior ao se distribuir se divide, se subtrai, e isto é mal, é conflitante.


Pergunta – Muitas vezes um cônjuge que quer continuar a união do casal é fiel porém tem gênio de difícil trato, isto não dá motivos para que o outro mais dócil, até mais prestativo, possa se separar ?

Resposta – Não, por tudo que já comentei e também porque se houver amor e fé no Criador todos os obstáculos são superáveis. Como antecipadamente ambos tiveram, ou deveriam ter tido, tempo de se conhecerem adequadamente antes de se lançarem a um relacionamento mais íntimo, que, pela graça e verdade do Criador, deve ser definitivo, se um dos dois usou, ou ambos usaram, mentira afim de concretizar a conquista, aí está a fonte do erro. Se houve um pequeno deslize entre os dois, ou com ambos, pior e mais grave será a fonte dos atritos.

Pergunta – Ah, mas segundo o ditado popular: o que os olhos não vêm, o coração não sente...

Resposta – A carne não sabe, mas o astral sim, e reflete sua indignação no inconsciente sem entender o porque visto na carne a carne estar tudo bem, mas de astral para astral sabem o/s erro/s e força, normalmente, ao outro a se confessar, a se corrigir. Mais intolerável ficará a união quanto mais tempo insistirem em não admitir o erro culminando, frequentemente, na separação.

Pergunta – Na separação entre um cônjuge infiel e o fiel como fica a situação de cada um após?

Resposta – Existem muitos fatores a considerar. Normalmente o fiel é fiel porque ama o seu cônjuge, e o infiel é infiel porque não aprendeu a preservar seu amor pelo seu cônjuge. Pela lógica percebe-se que no plano espiritual o infiel está em débito e o fiel com crédito. Mesmo uma saída inicial aparentemente feliz do cônjuge infiel a longo prazo ele deverá sofrer as consequências de seu desvio de destino. Quanto ao fiel, como não foi o causador da separação, mesmo enfrentando o trauma inicial da separação, possivelmente encontrará a cara metade que lhe proporcionará dias muito mais felizes do que quando se encontrava com seu antigo cônjuge, tanto melhor quanto mais próximo do bom astral ele for.

Pergunta – Por falar em astral, existem separações causadas por obsessões e/ou inveja de terceiros?

Resposta – Dependendo da vibração astral de cada cônjuge, da proteção que cada um esteja merecendo de seus pais espirituais, sim, pode haver separações devido a obsessões e, mais raramente, até mesmo por invejas.

Pergunta – A união entre duas pessoas deverá obrigatoriamente terminar em casamento formal ou nada há quanto a se unirem por si mesmos?

Resposta – Não há necessidade do casamento formal. O importante é que a união seja feita com amor sincero e permanente enquanto ambos pulsarem.

Pergunta – E no sexo, o que a ambos é permitido e proibido?

Resposta – Tudo o que mutuamente lhes façam se sentir bem e sem censo de culpa se postos ante nosso Criador é-lhes permitido. Aos médiuns deve haver resguardos de horas ou dias conforme suas responsabilidades espirituais, tanto antes como após seus trabalhos espirituais.


Pergunta – Por se falar em médiuns, no que se refere as regras femininas e suas participações mediúnicas como fica ?

Resposta – A mulher quando fica menstruada baixa sua faixa vibratória além de se alterar psicologicamente e por isto não deve fazer parte de incorporações nem dos trabalhos mediúnicos, pois seria prejudicial a si mesma assim como as entidades e, por conseguinte, aos demais médiuns.

Pergunta – Quanto a se consultarem e receberem passes?

Resposta – Não há nenhum impedimento, aí é até bom, elas passam a receber orientações e bons fluidos. Estão como receptoras e não como transmissoras.

Pergunta – De modo geral, fora esta particularidade feminina, quando os médiuns, de ambos os sexos, não devem participar das incorporações?

Resposta – Obviamente se for médium despreparado. Se não houver se resguardado, se concentrado adequadamente, como designação de seus guias diretos. Se houver deixado de fazer algum tipo de obrigação e/ou deixado de tomar algum banho fluídico que lhe facilite a sua conexão com a faixa vibratória de seus guias. Abusos sexuais, doença, depressão, indisposição, tudo isto é motivo para que o médium não participe ativamente e tudo isto é motivo para que ele se consulte para ver o que está havendo consigo.

Pergunta – Porque alguns médiuns normalmente, no seu dia a dia, absorvem cargas mais facilmente que as pessoas comuns?

Resposta – Muitas vezes por não se acharem preparados e/ou adequadamente protegidos, muitas vezes pela própria graça de ser médium absorve carga de terceiros em aflição minimizando o sofrimento deste mesmo que o médium esteja transitando num dia qualquer ele não deixa de se médium e como tal a sua função é a de ajudar o próximo, assim como seus guias, que por sua vez sabendo que esta ou aquela pessoa necessita deste ou aquele auxilio, o fazem, mesmo sem que o auxiliado e o médium tomarem conhecimento do fato, absorvendo radiações carnais/materiais usando como intermediário o seu protegido, isto é; o médium, através do qual normalmente trabalham. Neste caso o mal estar é passageiro, tanto mais rápido quanto o próprio médium elevar sua mente em orações ao Criador, aos seus pais espirituais e aos seus guias diretos.

Pergunta – Afinal explique-me: amigos do astral, guias espirituais, santos de cabeça, quem é quem?

Resposta – Amigos do astral são os seres e criaturas desencarnados, normalmente, mais ou menos em igualdade de esclarecimentos em que se encontra o médium seu amigo, desta e de outras reencarnações e mesmo amigos obtidos estando o médium encarnado e o outro desencarnado ou noutras ocasiões o inverso.

Os guias espirituais podem ser, mas nem sempre, seres e criaturas perfeitos ou, na maioria das vezes, criaturas e seres em grau de adiantamento igual ou superior ao do médium encarnado, e não à mente do médium encarnado. Aqui cabe uma ressalva, a mente de um ser encarnado raramente alcança a plenitude do conhecimento que realmente o seu ser livre dum corpo tem.


Pergunta – No que se refere as relações conjugais e sexuais entre duas pessoas fiéis, um casal, que se dedicam a espiritualidade e a uma pessoa solitária que se dedica exclusivamente a espiritualidade, se abstendo dos prazeres da carne, deduz-se que esta última é mais privilegiada espiritualmente que as anteriores?

Resposta – Não, até muito pelo contrário. É muito mais fácil Você se fechar em torno de si e daí se dedicar à espiritualidade do que se dedicar com fidelidade e amor a outra pessoa e ainda ter a capacidade, primordial, de se dedicar também à espiritualidade. E quando o amor entre o espírito e a alma encarnados é fiel e mútuo e ambos se afinam na sua dedicação espiritual, eles se situam entre os mais agraciados tanto carnalmente quanto espiritualmente. Na carne por se completarem e não sofrerem solidão e ainda de preservarem um dos principais desígnios de Nosso Criador que é o da procriação. Já pensou o que ocorreria se todos/as encarnados/as se dedicassem a espiritualidade se abstendo das uniões carnais? … Sorrisos… E astralmente por motivos semelhantes ao da carne num grau mais nobre, como seria?


Pergunta – Por se falar em procriar, os seres e criaturas procriam?

Resposta – Sim, mas só os perfeitos e por geração mental, mas num controle de natalidade mais rígido e por puro merecimento.

Pergunta – Então mesmo desencarnados os seres e criaturas mantêm a sua sexualidade?

Resposta – Sim, mas quanto maior progresso o ser tiver menor é sua distinção sexual aos entendimentos, ainda, dos encarnados.

Pergunta – Como assim?

Resposta – O ser perfeito que, evidentemente, pertence ao ápice da pirâmide espiritual, mantém sua sexualidade em seu ser mas de forma mais sutil.

Pergunta – Os seres e criaturas mantém sempre sua sexualidade ou lhe é permitido mudar?

Resposta – Sua sexualidade é pré determinada pelos seus pais e suas mães, espíritos e almas perfeitos. Não lhes é dado mudar de sexo.

Pergunta – Como se explicam as tentativas de alguns encarnados de quererem ser seu sexo oposto?

Resposta – Uma infeliz e triste inadaptação ao mundo carnal.

Pergunta – E porque ocorre isto?

Resposta – Por muitos motivos. Decepção com o sexo oposto, ou pelo inverso. Obsessões. Experiência. De qualquer modo são espíritos e almas que fracassaram na corrente encarnação.

Pergunta – Esclareça-me melhor...

Resposta – Há vezes em que um ser encarna com seu sexo oposto para aprender a entender e a respeitar esse sexo tanto quanto sua mentalidade. Algumas vezes o ser reencarna no seu sexo oposto com a finalidade de aprendizado, noutras por expiação, pois numa encarnação anterior ele explorou, humilhou seu sexo contrário, como Você pode perceber isto demonstra um grau muito baixo em sua evolução astral. Vale ressaltar que uma vez encarnado em determinado sexo o ser, mesmo que esteja encarnado no seu sexo complementar, deve assumir os dotes desse sexo, pois seja como for isto lhe servirá de aprimoramento espiritual.

Pergunta – Mas e quando há alguém perverso/a que abusa do espírito ou da alma encarnado/a que não tem como se defender de seu/sua algoz?

Resposta – Tanto aqui quanto aí, principalmente, devemos nos apegar ao Nosso Criador, o máximo possível, Lhe rogando sempre que nos livre dos maus e das tentações, o que, infelizmente neste mundo de tanto egoísmo, são uma constante.

Pergunta – E quando o próprio corpo traz o sexo indefinido?

Resposta – É uma provação para o ser, mas sempre há uma tendência, mesmo que pequena, para um lado. Ao ser encarnado é dada a opção de escolha, restar-lhe-á sentir a que sexo pertence seu ser afim de tomar a decisão correta, nas vezes em que isto lhe é permitido.

Pergunta – Porque esta indefinição de sexo ocorre na carne?

Resposta – Normalmente porque o ser se perverteu sexualmente em encarnação anterior, e apesar disto, quando desencarnado, que lhe é dada a opção de escolha. Superar uma provação destas só por livre arbítrio e jamais por imposição, quando o ser achar que consegue.

Pergunta – E se ele fracassar, isto é, se escolher seu sexo oposto?

Resposta – Nas próximas encarnações seus pais espirituais cuidarão para que este ser assimile seu sexo original de modo mais lento e gradual. Normalmente será protegido quanto a perversão sexual de modo a ir se acostumando e aceitando o seu verdadeiro sexo.

Pergunta – Visto que o ser não escolheu seu sexo a sua tentativa de inversão sexual é tão condenável assim?

Resposta – Sim, porque só em existirmos como um ser já é motivo de agradecermos ao Nosso Criador, querermos rejeitar nossa sexualidade é uma tremenda imaturidade de um ser. Além do mais, nossos pais espirituais são espíritos e almas perfeitos/as que tudo deram de si para nos conceber o melhor possível no que possível seja na formação de um ser básico.


<============================================>


Caminhos De Deus

<============================================>


P o r t a L e g a l

J o a h e r m e n

A r t e L i v r e

<============================================>


Espírito, Alma, Ser, Criatura, Reencarnação, Ressurreição, Espíritos, Almas, Seres, Criaturas, Reencarnar, Ressuscitar.